Assistindo Sufragistas e vendo as várias cenas onde mulheres são agredidas e presas pela policia e  lembrando que quando fui presa os PM deram 0 fodas pra o fato de eu ter sido agredida pelo segurança do mercado. E ainda ressaltaram idiotamente que era o “fruto do pecado”.

Imagina o que não passam as mulheres vítimas de estupro e violência doméstica? Como não são tratadas nas delegacias por ai? Quais as brincadeirinhas de mal gosto e coisas idiotas e ultrajantes que elas não ouvem, não é?

Algumas coisas não mudaram tanto assim. O caso recente da Kesha é um exemplo disso. A justiça continua desdenhando do sofrimento das mulheres. O patriarcado continua não se importando e segue maltratando mulheres e passando pano pra violência sofrida pela mulher e pra feminicídio. E ainda reclamam do feminismo.

Por que será, né?

Anúncios

Sobre o mundo atual e os falsos deuses

A hipocrisia e a falsidade doem mais do que uma verdade dita de forma grossa e curta. Minha mente apreende a verdade do outro, a filtra, a utiliza. Mas não consegue lidar bem com falsidade e mentiras.

Seria isso uma fraqueza ou uma peculiaridade humana? Algo universal? Não sei se consigo responder a essa pergunta, deveras minha razão tenda a dizer-me que sou humana e isso é resposta suficiente.

As pessoas não amam o que aa agride. O que é desprovido de beleza e de interesse. E o que interessa hoje em dia muitas vezes se resume a status quo e riquezas.

Então, sendo assim, eu deixo de existir se não tenho Facebook ou Whatsapp. Estão todos juntos prontos para louvar o novo deus. Basta uma centena de curtidas em uma foto para que você seja considerado legal. E isso é nojento. A humanidade está cada vez mais deplorável… todos nós. Deixo então a reflexão: como lidar com isso?

Sobre o mundo atual e os falsos deuses

As mariposas dentro de mim

Estava morta de sono, meus olhos coçavam terrivelmente. Mas não conseguia dormir. Eu voltara a ativa no dia anterior. Provavelmente era isso. Sentia como se um grande inseto estivesse pousado sobre mim, um inseto gordo e vermelho, cheio do meu próprio sangue. Isso me enfraquecia. Minha perna esquerda doía, e as cicatrize no pulso repuxavam desagradavelmente quando eu mexia o braço.

Respirei fundo, inalando o ar abafado de uma casa fechada. Meus olhos arderam. Eu estava cansada. Deitei-me no colchão em posicao fetal e esperei de olhos fechados até quebo sono viesse.

Na minha mente mariposas circundavam a luz de minhas ideias. Mas eram mariposas com asas quebradas e enormes olhos sem cor. De minuto em minuto a paixão e o medo misturavam-se em mim como um preparo homogêneo para tortas. O sabor era amargo. Julgava-me tola, mas ao mesmo tempo sentia-me grata pelo sono. Ao menos isso. Não dormia faziam 4 dias.

A decadência era minha mais fiel companheira. E a mediocridade gritava coisas que eu, fraca, não conseguia evitar. Coisas como “você não é capaz”. “Não vai conseguir”.

Aquela madrugada eu sonhara que vagueava por uma floresta. Eu era um menino pobre e cego a procura da cidade. E haviam carcaças humanas que eu não conseguia enxergar mas sentia o ranço de podridão. E haviam vampiros.

Eu não sabia mais quem eu era. E agora o sono me embalava, carregando-me para águas cada vez mais profundas e sujas na minha mente. Mais alguns minutos e eu despertaria com um grito.

As mariposas dentro de mim

Life can really be easy. Not saying like it is bur it really can be. I was thinking about it. No, I was watching a movie and then the fact that I don’t have to be sad came to me, passed across my mind.

I wish I never felt sad again after that but isn’t possible.